"Publicidade é e sempre será sobre pessoas"


Joanna Monteiro, CCO da FCB Brasil

Por Claudia Penteado

Joanna Monteiro, Chief Creative Officer da FCB Brasil, é a primeira colocada no ranking dos Publicitários mais admirados do país segundo os profissionais de agências na 6ª edição do ranking Agency Scope 2016, realizado a cada dois anos pela consultoria espanhola Scopen (ex-Grupo Consultores). Foram feitas cerca de 700 consultas e essa foi a primeira vez que uma mulher chegou à liderança desse ranking, que em geral é dominado por homens. Nos últimos anos, ela se transformou em uma das profissionais de criação mais premiadas do mundo. Só no ano passado foram mais de 40 prêmios, entre eles seis leões em Cannes, seis no One Show e cinco no britânico D&AD. Neste papo, ela conta um pouco de como vê a publicidade.

O que entusiasma você na publicidade?  

Joanna - A publicidade sempre foi uma atividade que permite saber muito sobre muitas coisas. É um ótima profissão para curiosos e ansiosos como eu. Em 20 anos, as possibilidades da atividade só cresceram. Novas plataformas, novas tecnologias, novos comportamentos. E ainda tem uma parte sensacional da atividade que não mudará nunca: ela será sempre sobre pessoas. Adoro isso. 

Qual deve ser o papel da agência junto ao cliente?

Joanna - Deve ser parceira na inteligência da marca e do negócio.  Deve ter uma relação transparente, com objetivos super claros e comuns. Tem que ser, e pode ser, um ganha-ganha. 

Como esse papel se transformou e o que não mudou ao longo do tempo?

Joanna - Hoje não existe mais um só modelo de remuneração. Isso é bom. Faz com que fique mais claro o que se espera de cada uma das partes. Tem mais conversa antes do casamento para estabelecer metas mais claras e um relacionamento mais justo e feliz. Isso não mudou. É sobre pessoas procurando entender pessoas, tanto na relação agência-cliente como na relação marca-consumidor. 

Como manter o frescor e a entrega sempre nova para o cliente?

Joanna - Na criação,  acredito que a equipe tem que entender e se relacionar com profundidade com todos os clientes da agência. Ganha o cliente que tem à disposição as melhores pessoas para atender diferentes demandas. Ganha o criativo que pode trabalhar com diferentes clientes. E ganha o trabalho, que fica fresco e não viciado.

Qual é o seu papel hoje e maior desafio à frente da FCB Brasil? 

Joanna - Seguir mostrando a relevância do trabalho integrado e criativo que a gente faz. A criatividade vende. E ainda é a forma mais barata de se diferenciar no mercado. Porque o que é bom e ganha o consumidor exige menos mídia, seja ela onde for.  Por isso somos cada vez mais uma agência criativa e não uma agência com departamento criativo.