Presidente da Abap defende transparência na relação com o consumidor em evento apoiado pela ONU


Mario D'Andrea apontou que as marcas precisam ter atitudes e comunicação transparentes para manutenção da relação contínua com o mercado de consumo 

 

O presidente da Abap - Associação Brasileira de Agências de Publicidade, Mario D'Andrea, defendeu na terça-feira, 11 de setembro, durante o seminário “As Boas Práticas no Relacionamento com o Consumidor: Perspectivas Nacionais e Internacionais” o fortalecimento das agências de publicidade e a qualidade do conteúdo da propaganda para assegurar informações transparentes nas relações de consumo. O evento foi organizado pelo Instituto de Pesquisas e Estudos Sociedade e Consumo em parceria com a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD/ONU) e PUC-SP.

“Ninguém entende mais de consumidor do que as agências de publicidade. Há décadas somos os advogados das marcas perante os consumidores e, ao mesmo tempo, os advogados dos consumidores perante as marcas. Hoje temos pesquisas que comprovam que os consumidores querem muito mais das marcas do que apenas produtos. Querem relação de confiança e transparência. Consumidores esperam sim que as marcas ajudem a construir uma sociedade melhor”, defendeu D'Andrea.

Em uma explanação ao lado de presidentes de entidades da indústria do varejo, alimentícia, bancária e aérea, o presidente da Abap destacou que para conseguir essa confiança as marcas precisam de três posicionamentos fundamentais. Primeiro, atitudes transparentes: sozinhos os discursos das marcas não convencem e nem são suficientes. É preciso provar na prática esse discurso com atitudes e gestos claros em relação à cadeia de fornecedores, parceiros, consumidores e comunidade em que está inserida. “Falsas promessas podem ser destruídas em minutos pelos consumidores. Por isso, a importância de uma relação contínua e persistente entre a marca e consumidor. Confiança se conquista com atos e tempo”, diz.

O segundo posicionamento está diretamente relacionado com a adoção de plataformas e conteúdo transparentes. Segundo D'Andrea, toda marca é responsável pelo conteúdo que patrocina. Por isso, deve-se evitar o fascínio fácil de plataformas e influenciadores digitais que podem arruinar uma relação de anos com o consumidor. E, por último, as marcas devem adotar uma comunicação transparente. Ter qualidade é mais importante do que apenas quantidade. “A busca fácil pelos likes e views hoje não quer dizer mais nada. O que vale é a relação entre o que a marca diz e a verdade da vida do consumidor”, conclui.

O evento realizado em São Paulo tem a proposta de difundir informações e reflexões sobre o futuro dos Direitos do Consumidor, contando com a participação de especialistas nacionais e internacionais e representantes da iniciativa privada, do Poder Judiciário, Defensoria Pública e órgãos de defesa do consumidor.