"A complexidade dos mercados favorece as agências"


Maria Laura Nicotero, Presidente da agência Momentum Worldwide e Vice-Presidente da ABAP 

Por Claudia Penteado 

No apagar das luzes de 2018, a executiva Maria Laura Nicotero, presidente da agência Momentum Worldwide, passou a integrar a Vice-Presidência da Associação Brasileira de Agências de Publicidade (ABAP), ao lado de Eduardo Simon Pereira e Marcio Oliveira e Sousa. Neste bate-papo, ela fala da sua visão da entidade, conquistas profissionais e, claro, de futuro. Para Maria Laura, eleita uma das Women to Watch de 2018, quanto mais complexo o cenário do consumo, maior a percepção da importância do trabalho das agências de publicidade na comunicação e na construção das marcas.

Como você enxerga a sua função como nova VP da ABAP?

Vejo como uma oportunidade relevante, que muito me honra, de poder colaborar para o desenvolvimento do nosso mercado e de me integrar a uma equipe que está, de fato, fazendo um trabalho importante na condução da entidade.

Como encara a missão da ABAP no mercado e os desafios atuais da entidade para manter sua relevância, acomodando tantas demandas e em meio a tantas transformações?

A missão da ABAP num mercado em transformação é, como tem sido historicamente, o de trabalhar para o fortalecimento da nossa indústria, preservando sempre as melhores práticas e a ética nos negócios. A ABAP nasceu com essa missão e, em momentos de transformação como o que vivemos, essa missão se reforça ainda mais.

Na Momentum Worldwide, como tem sido o seu desafio pessoal como executiva para manter a empresa relevante e entregando valor para os clientes?

Meu papel como executiva de uma companhia como a Momentum é o de prestar serviços da mais alta qualidade, world class, para meus clientes. Colaborar para o seu planejamento estratégico e mercadológico. Contribuir para a visão de desenvolvimento dos seus negócios. Cuidar para que as marcas que atendemos sejam cada vez mais conhecidas, reconhecidas e desejadas. E respeitadas. Além disso, tenho que, como executiva da Momentum, cuidar da operação e da marca Momentum. Aquilo que preciso entregar aos meus clientes, tenho que construir para a nossa companhia também. Criar uma marca cada vez mais respeitada e desejada. Participar cada vez mais de novas oportunidades de negócios nas concorrências da indústria.

Que conquistas importantes suas e da Momentum você apontaria no último ano?

O objetivo de ser mais considerada e reconhecida como uma empresa e de ter uma marca relevante na indústria vem, de alguma forma, ocorrendo. Temos sido chamados para concorrências que talvez no passado não seríamos. Entendo, pelos indicadores que o próprio mercado nos fornece, que nosso trabalho, o que entregamos na prática e que é visível a todos na indústria, vem conquistando reconhecimento. Isso tem sido bastante recompensador para nós. Nossa equipe e os profissionais de alto nível que temos hoje aqui têm sido vitais no atingimento desses objetivos. Acho que a indicação do meu nome ao Women to Watch, bem como o próprio convite para participar da ABAP, são reflexo desse trabalho conjunto de consolidação da marca Momentum. Entre as conquistas de 2018 eu citaria Mastercard, P&G e Havaianas. Este é o terceiro ano atendendo a Oracle - do branding, eventos ao endomarketing na América Latina.

O que esperar de 2019? Você está otimista?

Acho que será um ano positivo. Todos os indicadores econômicos e a opinião de especialistas de negócios e de economia apontam para isso. Projeta-se o crescimento de 3% do PIB este ano. Isso significará a recolocação do Brasil na sua trilha natural de crescimento. Esse desempenho contribuirá também para a geração de empregos, incremento do consumo, maior estabilização dos negócios. Um cenário assim, obviamente, refletirá positivamente também para os negócios da nossa indústria, ao contrário do que vinha acontecendo até então.

Qual a sua visão do futuro do mercado de agências de publicidade e do seu papel na construção de marcas para os anunciantes?

As agências sempre tiveram, historicamente, papel da mais alta importância na construção das marcas de seus clientes. Da relevância dessas marcas junto a suas audiências e consumidores. Essa sempre foi sua missão. Entendo que as agências de propaganda e de comunicação em geral seguem sendo a mais competente e efetiva alternativa para os anunciantes no atingimento dessas metas e objetivos mercadológicos. Quanto mais complexo for o cenário do consumo, quanto mais difícil for falar com os consumidores, quanto mais os anunciantes precisarem falar one to one com seus públicos, mais as agências serão necessárias. A complexidade dos mercados só favorece a percepção da necessidade do trabalho das agências.