ABAP 70 Anos: Geraldo Alonso, Luiz Macedo e Oriovaldo Vargas


No período de 1969 a 1979, a ABAP precisou enfrentar algumas sérias ameaças às agências de publicidade. Mas também nesse período foi iniciado um projeto que levou à uma grande conquista do mercado: o “Código Brasileiro de Autorregulamentação Publicitária”. Conheça os Presidentes que estiveram à frente da ABAP durante esses dez anos.

Geraldo Alonso, fundador da agência Norton (que depois se tornou Publicis Salles Norton e, atualmente, é a Publicis Brasil), foi Presidente da ABAP durante quatro anos, de 1969 a 1974. Seu período à frente da entidade foi marcado por extraordinário dinamismo. Alguns destaques do período de sua gestão foram: a atuação da ABAP em defesa das agências diante da iniciativa de equipar a Agência Nacional às agências de propaganda, entregando-lhe as contas de publicidade das estatais; a elaboração do primeiro ranking oficial das agências brasileiras, publicado em 1972; e a mobilização pela ida do maior número de publicitários brasileiros ao Festival da SAWA em Cannes, que resultou em uma delegação de 165 participantes.

 

Luiz Macedo, que ao lado de Antônio Mafuz e Petrônio Corrêa fundou a MPM Propaganda, foi Presidente da ABAP no período de 1974 a 1976. Logo que assumiu a presidência da ABAP, Luiz Macedo precisou enfrentar uma séria ameaça, que havia sido afastada em 1972, mas que voltou a ser apresentada: um projeto de lei que defendia a censura prévia nas campanhas publicitárias. Macedo coordenou um movimento de repúdio ao projeto que envolveu agências, anunciantes e veículos. Macedo ainda desenvolveu importante atividade política na ABAP, desfazendo equívocos e mal-entendidos com autoridades a propósito da atividade das agências e afastando a ameaça da introdução de novos critérios na análise de custos dos produtos industriais.

 

No período em que Oriovaldo Vargas Loeffler esteve à frente da presidência da ABAP, entre 1976 e 1979, a entidade empenhou-se na estruturação de uma “Comissão Especial de Autorregulamentação”, constituída por sete pessoas nomeadas por Oriovaldo Vargas: Geraldo Alonso, Renato Castelo Branco, Luiz Macedo, Carlos Alberto do Carmo, Roberto Duailibi, José de Alcântara Machado e Mauro Salles. A comissão elaborou a minuta do Anteprojeto do “Código Brasileiro de Autorregulamentação Publicitária”, na época denominado “Código Brasileiro de Ética Publicitária e Autorregulamentação”. Após passar por análises e receber comentários e sugestões de uma “Comissão Interassociativa” – formada por 20 membros, representantes da ABA, ABAP, ABERT, APP, SPJR-RS e CNC – e de agências das seções regionais da ABAP, fossem elas associadas ou não, a Minuta foi levada à análise e discussão no III Congresso Brasileiro de Propaganda.